• 11. 2022 5022 | 11. 2539-9123
  • R. Jarinú, 269 - Tatuapé - São Paulo, SP
  • Envie um e-mail

Com experiências digitais, receitas de marcas do varejo crescem até 8%

Em um mundo onde o consumidor é cada vez mais tech addict (viciado em tecnologia), as marcas precisaram se reinventar. Para acompanhar o novo perfil de clientes, o varejo se reestruturou para impactar e engajar o consumidor diretamente no Ponto de Venda (PDV), transformando a loja em um ambiente mais sensorial e imersivo, potencializando a experiência de compra. 

Para se reinventar e, consequentemente, continuar competitivo, o setor varejista precisa estar atento às novidades tecnológicas. Um levantamento do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR) aponta que as marcas do varejo que se destacam por investirem na experiência do cliente têm um aumento entre 4% a 8% nas receitas.

“O consumidor se tornou ainda mais exigente e ligado em tecnologia. Além da integração dos canais, o famoso omnichannel, onde ele pode comprar online e retirar na loja, provar na loja e comprar online, por exemplo, ele quer viver experiências únicas na loja", diz Patricia Cotti, diretora executiva do Ibevar, que aponta que tecnologias como Data Base, Analytics, exposição em loja, realidade aumentada, estímulos sensoriais, auditivos e olfativos, podem proporcionar as sensações que o cliente procura. 

O segredo, de acordo com a executiva, é estar por dentro de tudo aquilo que seja capaz de criar os estímulos necessários para o consumidor, sejam eles auditivos, interativos ou visuais. "Isto será essencial para resultar na conversão em vendas", afirma.

DATA BASE E ANALYTICS

Muito se fala em business Intelligence (BI) e analytics. No novo discurso do varejo, essa tecnologia pode disponibilizar informações ‘real time’, e permitir que o colaborador entenda melhor o que o consumidor procura e ofereça uma experiência de compra mais agradável, de acordo com o Ibevar.

LEIA MAIS:Como a tecnologia está transformando o franchising 

Dados da NRF 2019 - Retail's Big Show mostraram que 72% dos colaboradores acreditam que um treinamento com ferramentas como essas podem impactar positivamente o cliente na hora da compra.

“O digital pode facilitar a comunicação, disponibilizar ferramentas em tempo real e tornar o gerenciamento de tarefas mais eficiente. No Brasil, percebemos que esse conceito ainda é uma novidade, mas tem tudo para se consolidar”, afirma Patricia.

Uma loja da Ford, nos Estados Unidos, por exemplo, utiliza o recurso Mobile Pay, com pagamento via reconhecimento facial, o que facilita a compra ou aluguel de um carro. Já a loja de vestuário 365, trabalha com a tecnologia de totem que analisa o biótipo do cliente e armazena as informações para futuras compras.

REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA (VR/AR)

A tecnologia permite integrar elementos visuais, online e físicos, em um único espaço, com a realidade virtual (VR) e a realidade aumentada (AR). A diferença entre as duas não é só semântica, mas de interação. É possível criar um mundo novo e introduzir projeções, possibilitando uma série de ações interativas, lembra Patricia Cotti, do Ibevar.

“Imagine circular em um espaço já mobiliado, em que as decorações sejam mutáveis de acordo com as preferências individuais de cada usuário. Depois, imagine poder interagir com estes objetos virtuais em 3D em seu próprio ambiente”, exemplifica. 

Um case interessante é da StubHub, vendedora online de ingressos para eventos de entretenimento ao vivo. A empresa utiliza a tecnologia para replicar diversos locais, como shows e jogos, por exemplo, para que o cliente tenha a experiência antes de comprar o serviço.

Um artigo publicado pela Harvard Business Review revelou que mais de 30% dos executivos dos setores de varejo e TI devem investir em operações de AR até 2020. O mercado está otimista, portanto calcula-se que as redes varejistas podem aumentar em até 20% o nível de satisfação dos clientes, segundo previsão da International Data Corporation (IDC).

fonte: https://dcomercio.com.br   | 10/07/2019

Últimas Publicações

  • Associações | Atividades sociais, de representação ou de defesa de interesses comuns

    As associações são constituídas pela união de pessoas que se organizem para fins não econômicos, observando-se que não há, entre os associados, direitos e obrigações recíprocas. Ou seja, as associações são pessoas jurídicas de direito privado através da qual, pessoas se congregam objetivando realizar determ.. (continue lendo)

  • Formação de Preços | Constitui-se num dos grandes desafios para as pequenas empresas

    Dentre as inúmeras decisões a serem realizadas por uma empresa, a precificação de seus produtos encontra-se entre as mais importantes e carentes de subsídios. Convivemos com clientes muito mais exigentes em qualidades e com preços competitivos. A tarefa de manter e atrair clientes se constituem nos grandes desafios para qualquer empresa que pretenda atingir seus objetivos orga.. (continue lendo)

  • Empresa Familiar | O processo de sucessão e/ou oportunidade para a profissionalização

    As empresas familiares, independentemente do seu porte, inclusive as micro e pequenas empresas, possuem uma importância significativa no desenvolvimento econômico e social do nosso país. Para sobreviverem elas necessitam de uma boa estrutura organizacional e contar com familiares que estejam interessados em participar do seu desenvolvimento.

    continue lendo)

  • DITR 2019 | Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural

    Por meio da Instrução Normativa RFB 1902, de 2019, estabeleceram-se as normas e procedimentos para a apresentação da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) referente ao exercício de 2019.

    continue lendo)

  • PCMSO | Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

    Todos os empregadores e as instituições que admitam trabalhadores como empregados estão obrigados a elaborar e implementar o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), que tem por finalidade a promoção e preservação da saúde do conjunto de seus trabalhadores, observando parâmetros mínimos e diretrizes gerais est.. (continue lendo)

  • Concessão de Créditos | Análise de risco na concessão de crédito

    Os riscos na concessão de créditos estão presentes no dia a dia da maioria das empresas, principalmente para aquelas que têm como objetivo maximizar seus lucros, no mais alto grau possível. Para isso, seus gestores, além de adotar políticas de otimização da alocação de recursos, redução de custos e incrementos de produtivida.. (continue lendo)

  • Capital de Giro - Dá vida à organização e faz fluir os seus processos

    Também conhecido como Capital Circulante, o Capital de Giro representa em média, boa parte do total de ativos de uma empresa. Ele dá vida à organização, faz fluir seus processos de compra e venda e está diretamente associado às fontes de recursos, das quais a empresa necessita para financiar seu crescimento.

    continue lendo)

Desenvolvido por: TBrWeb